Exposição patente de 4 de Novembro de 2011 a 29 de Janeiro de 2012, no Pavilhão Preto do Museu da Cidade.

A Casa da América Latina traz a Lisboa uma selecção de 257 fotografias das 6.500 que compõem o acervo da Casa Azul/Museu Frida Kahlo numa exposição intitulada “Frida Kahlo - As Suas Fotografias”. Esta é a primeira apresentação internacional da exposição que pode ser visitada de 4 de Novembro de 2011 a 29 de Janeiro de 2012, no Pavilhão Preto do Museu da Cidade (Campo Grande, 245).

“Frida Kahlo - As Suas Fotografias”, apresentada pelo Museu Frida Kahlo em 2010, exibe um conjunto significativo de fotografias que serviram à pintora mexicana como recordação, ferramenta de trabalho ou como forma de exorcizar a solidão. Esta mostra, com curadoria de Pablo Ortiz Monasterio, reconhecido fotógrafo e historiador da fotografia no México, ilustra a importância deste meio artístico na vida da pintora.

Esta exposição que mostra uma série de fotografias que pertenciam ao acervo pessoal da artista, na sua maioria desconhecidas, divide-se em seis núcleos: Os Pais: Guillermo e Matilde; A Casa Azul; O Corpo Acidentado; Os Amores de Frida; A Fotografia e a Luta Política. Não se pretende apresentar uma cronologia da vida e obra de Frida Kahlo, mas antes, mostrar pedaços da sua história pessoal e da sua intimidade, de um país e de uma época, permitindo também descobrir novas facetas de uma das personalidades mais complexas e enigmáticas do século XX.

O valor das imagens como testemunho histórico é inegável, mas também o é pela presença de olhares de outros fotógrafos de renome que a fotografaram e se podem encontrar nesta exposição: Man Ray, Martin Munkácsi, Fritz Henle, Adward Weston, Brassai, Tina Modotti, Pierre Verger, Lola y Manuel Álvarez, entre outros.

[…] Sobre a fotografia Frida escreveu: “Sabia que o campo de batalha do sofrimento se reflectia nos meus olhos. Desde então, comecei a encarar directamente a objectiva, sem pestanejar, sem sorrir, decidida a mostrar que seria uma excelente lutadora até ao final.” Este arquivo é produto da tenacidade de Frida que o guardou, trabalhou e dele desfrutou. Estão aqui as fotografias da artista e também muitas que guardou de Diego. O acervo reflecte de maneira clara os interesses que a pintora teve ao longo da sua vida atormentada: a família, o seu fascínio por Diego e outros amores, o corpo acidentado e a ciência médica, os amigos e alguns inimigos, a luta politica e a arte, os índios e o passado pré-hispânico, tudo marcado pela sua grande paixão pelo México e pelos mexicanos. 

Pablo Ortiz Monasterio